Publicidade

O que saber sobre Periodização no Basquete







O Basquete possui características como a ocupação de espaço comum e a participação simultânea de ações. Isto, porque o jogo acontece em um espaço compartilhado pelas mesmas equipes em disputa, a quadra, e porque há a realização de ações concomitantes e antagônicas nos períodos de jogo, ou seja, enquanto uma equipe realiza as ações de ataque, a outra equipe realiza ações para impedir este ataque, a defesa.

Este é um esporte secular, criado nos Estados Unidos dentro de uma ACM (Associação Cristã de Moços), que foi difundido pelo mundo no final do século XIX e início do século XX. Sendo aceito com grande simpatia e acolhimento por boa parte nações, tornando-se em pouco tempo um dos esportes integrante do cenário esportivo de vários países. Chegando, por sua vez, aos Jogos Olímpicos em 1936, na cidade de Berlim.

Como muitos esportes, o basquete, ao longo de sua história, também sofreu significativas mudanças para se tornar um mais dinâmico e mais atrativo ao público em geral. Sendo atualmente um esporte extremamente veloz e técnico, exigindo de seus atletas grandes competências e um ótimo condicionamento físico.

A periodização do treinamento pode ser entendida como uma forma de organizar o tempo disponível para atingir um determinado objetivo. A partir dessa organização os objetivos traçados deverão ser alcançados, caso o planejamento tenha sido feito de maneira correta. Para isso os treinos são divididos em fases ou períodos, para que se possa ter um maior controle dos treinamentos.

Podemos entender o treinamento como o aprimoramento em uma determinada área. Nesse caso o treinamento esportivo seria o aperfeiçoamento do preparo físico, técnico tático, intelectual, psíquico e moral do atleta através de exercícios físicos (WEINECK, 2003).

Segundo Platonov (2008, p. 507), para a preparação física de desportistas é importante destacar alguns elementos estruturais, como:

a preparação plurianual, como conjunto de etapas relativamente independentes e, ao mesmo tempo, inter-relacionadas;

os ciclos médios (mesociclos);
os ciclos pequenos (microciclos)
as sessões do treinamento.

No treinamento a parte mais abrangente é denominada macrociclo, composta por meses, que consiste em uma etapa completa de treinamento. Dentro do macrociclo aparecem os mesociclos que são uma etapa relativamente completa do processo de treinamento. Através deles se tem um melhor controle do programa de treinamento, pois a sua utilização "permite sistematizar a preparação de acordo com a tarefa principal do período" (PLATONOV, 2008, p. 592). Os mesociclos mais conhecidos são os de quatro semanas. Por sua vez, os microciclos tem a duração de alguns dias, geralmente uma semana, e são neles que são realizadas atividades específicas de cada fase de treinamento. Já a sessão de treino nada mais é do que um dia de treinamento.

 Tendo ciência da nomenclatura utilizada na definição da periodização do treinamento, ressaltamos que nossa equipe irá iniciar a preparação conosco um mês antes do início do campeonato (março). Nessa fase inicial iremos avaliar os indivíduos, para que possamos ver em que nível de treinamento eles se encontram e o que deve ser dado maior ênfase nos treinamentos.

    Para Weineck (2003), os ciclos de treinamento devem ser divididos em: preparatório, período de competições e período de transição. Haddad e Daniel (2005) ressaltam que na fase de preparação deve ser priorizado o desenvolvimento atlético, partindo do simples para o complexo e aumentando o volume e intensidade gradativamente. Boa parte desse tempo deve ser destinada para a preparação muscular, inicialmente com exercícios básicos e de grandes grupos musculares. A relação entre volume e intensidade se inverte na fase final de preparação, quando a intensidade ganha predominância, nessa fase é levada em consideração trabalhos mais complexos e específicos da modalidade, como o desenvolvimento de gestos. Na fase final, há a predominância do trabalho técnico sobre o físico. Já na fase de competição, o treinamento é prioritariamente para a manutenção dos ganhos previamente adquiridos, no qual o trabalho tático prevalece sobre o físico e técnico.

Saiba mais sobre Periodização no Basquete clicando aqui

É de suma importância que uma equipe faça a chamada "pré-temporada" que ocorre, como o próprio nome já remete, antes do início da temporada de atividades. Geralmente ela se inicia um mês antes das competições, às vezes um período um pouco maior, o que se torna melhor para os treinamentos. Nessa fase em que são feitos os testes com os atletas para saber em que fase de treinamento eles se encontram, na pré-temporada em que se desenvolve a preparação física geral. Uma pré-temporada bem realizada poderá evitar que seus atletas se lesionem durante a competição.

Destacamos a importância de se fazer a periodização dos treinamentos com um profissional qualificado, mesmo se tratando de uma equipe amadora, pois esse profissional será capaz de identificar o que necessita ser trabalhado com mais ênfase na equipe de forma geral e nos atletas individualmente. Cabe ressaltar que a periodização não é uma fórmula pronta, ela tem uma linha a ser seguida, mas nada impede que o profissional responsável por ela a altere no seu decorrer dos treinamentos caso perceba necessidades para tanto. Por fim, acreditamos que esse exercício de periodizar, é muito válido para nos aproximarmos da realidade, pois muito ouvimos falar sobre o assunto, mas só realizando o exercício de montar um programa de treinamento, é que podemos perceber o quanto o mesmo é complexo e como inúmeras dúvidas podem vir a surgir durante o seu desenvolvimento.

DICA BOA:

Se você trabalha com crianças ou adolescentes, lida com atividades esportivas na escola e quer ideias de atividades deste esporte, não pode deixar de conhecer o TOP 100 BASQUETE ESCOLAR! Clique e conheça!

Bibliografia:

PLATONOV, V. N. Tratado geral de treinamento desportivo. São Paulo: Phorte, 2008.

WEINECK, J. Treinamento Ideal: ilustrações técnicas sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações específicas de treinamento infantil e juvenil. Barueri: Malone, 2003.

 



Comente:

Nenhum comentário